quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

O garoto, as pessoas e o fascinio.

O tal garoto andava, rápido demais pra ser visto. Flutuava nos seus pensamentos mais intensos, pensava no tempo... Ou no amor. Neste momento, eu ainda não tinha roubado o coração dele, muito menos, a beleza que me fascinava. Ele era apenas ele, e eu apenas... Eu. Não sei bem por quê o reparei, entre todas as pessoas, ele era o mais modesto. Quem sabe, eu que o reparei deste jeito.
O tal garoto era mais do que eu imaginava, mais do que eu sonhava, ou esperava. Meu fascinio era maior. Tinha que ser ele, apenas ele, ' sem ser necessário enteder'.
(...)
Retornou, mais belo e melhor. Mais digno. Agora, o conheci.
' Era madrugada, quase manhã raiada' quando eu o vi, havia tanto a ser dito, mais não disse nada. O silêncio nos tornará melhores. Havia tanto a ser observado, mais não observei. Resolvi deixar de lado, as coisas fúteis, e emanei outras coisas, melhores. Emanei amor. Segurei-me nele e parti. Fui aprender a viver, a amar.
Assim, ele deixou de ser ele, agora EU! Estavamos juntos, ligados, fascinados. O amor venceu, apenas desta vez.

;*

3 comentários:

Vinicius disse...

Gostei viu ! da até um livrinho :]

Gabi disse...

Você me fascina.!Adoreeei

Sam disse...

amei. mas o amor vence várias vezes, sempre quando menos se espera ;)